Observatório

2017

... e assim se passaram mais 5 anos

Vamos publicar em forma de livro as atividades da Biblioteca entre 2012-2017 (este é o segundo livro dando continuidade ao que foi publicado referente a 2006-2011)

Nota Introdutória

[sobre as potencialidades e perspetivas de um novo conceito de Biblioteca, desafiando emoções para lá dos Livros... em crescente colaboração com o Campus e com a Comunidade]

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA) tem sido uma mais-valia em todo o espaço urbano e cultural na zona de Almada. Uma minicidade onde se desenvolve uma intensa atividade de ensino/aprendizagem e de progresso tecnológico e científico... uma minicidade de conhecimento que cruza e interage com a grande cidade. 

O Campus da FCT tem vindo a afirmar-se no mundo do empreendedorismo, do ensino/aprendizagem, da investigação, na transferência de tecnologia e know-how, tornando-se cada vez mais num centro de convergência das comunidades vizinhas, que usam a Biblioteca, não só pela oferta de recursos bibliográficos, mas, também, pela forte componente cultural oferecida. Um espaço aberto, de passagem e de permanências, cada vez mais integrado e integrante da comunidade. A Biblioteca coordena-se com o portão norte de entrada no Campus, dando as boas vindas aos viajantes, amenizando a relação Cidade/Campus. De modo natural, a Biblioteca da FCT NOVA promove fluxos de conhecimento e revaloriza ambientes internos e envolventes, tendo uma palavra a dizer na promoção de relações privilegiadas entre utente(s), espaço(s), ciência(s), arte(s), cultura(s) e vida(s). Assim, a espaçosa zona envolvente da Biblioteca apresenta-se como uma interface aos que nela passam e circulam, como uma verdadeira zona de fruição e reflexão.

A Biblioteca da FCT NOVA entrou em funcionamento, no seu novo edifício, em setembro de 2006. Esta mudança trouxe uma aposta na cultura, na inovação e no conhecimento. Foram criadas melhores condições de trabalho, horário de funcionamento mais alargado, foram criados novos serviços, foram melhoradas as infraestruturas computacionais, iniciaram-se projetos de âmbito nacional e internacional, estabeleceram-se novas parcerias, uma aposta no desenvolvimento das competências em Literacia da Informação, intensificaram-se as dinâmicas culturais, originando, por sua vez, uma interação efetiva com a comunidade envolvente.

Em 2011, ao comemorar o seu quinto aniversário, foi publicado um volume onde se compilou a atividade desenvolvida. Volvidos 5 anos, surge o volume 2, que revisita os anos de 2012 a 2017... uma visão sobre as atividades passadas, suas orientações e perspetivas que não deixam de olhar para o futuro...

É notório que a Biblioteca tem procurado ser um espaço de um desafio “a quem passa pela” e “vive na” Faculdade, sempre olhando atentamente para a comunidade envolvente. Desempenha um papel diversificado no Campus de Caparica, como Biblioteca no sentido habitual, mas também como um pólo científico, cultural e artístico. Engloba diversas infraestruturas: Laboratório de Design e Inovação, Auditório com 72 lugares, salas de exposições, bar e pátio.

A FCT NOVA tem protocolos assinados, que envolvem a Biblioteca, com a CMA, Embaixada dos EUA (no âmbito da parceria ‘American Corner’), ‘Ar.CO’, ‘Fundação Museu Berardo’, vários grupos de Teatro (‘TMJB’, ‘Teatro Extremo’, ‘Causa’) entre outros. Exposições, Seminários, Concertos e sessões de Cinema têm sido parte do referido manancial de atividades que podem ser consultadas no Blog da biblioteca em http://bibliotecaunl.blogspot.pt.

A abertura do ‘FCT FABLAB’ (powered by USA Embassy) resultou numa aposta ganha, propiciando uma ampla e diversificada oferta aos utentes, em áreas que “hoje constroem o amanhã”.

Complementarmente, a Biblioteca procura agora estabelecer contactos internacionais (i.e. ‘Unica', ‘Associação de Bibliotecas Universitárias de Capitais Europeias’), estabelecendo parcerias que melhorem o trabalho em rede e, por conseguinte, abram novas e vantajosas possibilidades. Destacam-se, ainda, os contactos com diversos municípios europeus, entre os quais a CM de Almada tem sido um parceiro sempre presente.

Vários projetos que procuram a ligação direta com as escolas do concelho vão ocorrendo, sendo o ‘Almada Forma’ um parceiro muito relevante. O Dia Aberto da FCT NOVA é um acontecimento reconhecido. A Biblioteca tem procurado, também, atrair alunos de várias faixas etárias, realizando visitas guiadas a exposições, mostras científicas e até a cedência de espaços expositivos.

Dois exemplos de pólos de interesse para a comunidade ocorridos neste período de 5 anos foram a celebração do ‘Ano Internacional da LUZ (AIL)’, que, tendo obviamente a LUZ como ponto de partida, numa marcante abrangência, cruzou múltiplas vertentes de Arte, Cultura, Ciência, Educação, Tecnologia, Natureza, Energia, Agricultura, Saúde e Sustentabilidade. Neste âmbito, em conjunto com os setores departamentais da FCT NOVA, a Biblioteca coordenou uma série de atividades que cobriram uma vasta gama de propostas. Muitos alunos do ensino secundário foram convidados a passarem uma tarde na FCT, para aqui participarem em múltiplas experiências relacionadas com a LUZ.

Outro marcante evento tem sido a anual comemoração da ‘Semana da Cultura Científica,’ agendada em torno de 24 novembro (‘Dia da Cultura Científica’), lembrando e homenageando Mariano Gago e a poesia de António Gedeão.

O presente livro refere-se aos últimos 5 anos da Biblioteca FCT NOVA, procurando reunir a variedade de ofertas e possibilidades culturais e científicas que aqui se desenvolveram. Não seria justo omitir a pretensão do presente documento em celebrar os muitos artistas e promotores culturais que, de modo tão generoso, acreditaram e participaram nos nossos (e nos seus) projetos. Pensamos até que este é o ponto mais importante. Para que estes projetos ganhassem vida, foram necessárias ideias e, sobretudo, pessoas em permanente contacto/interação, 'perturbando' o quotidiano estático estabelecido; dizendo de outro modo, criou-se a possibilidade de tecermos tramas/redes, nas quais pudemos “prender” tanto talento, imaginação e genialidade. De autores já lembrados no nosso enorme painel comemorativo dos 10 anos, espraiada na parede do Piso 2 da Biblioteca, desejamos que muitos outros sejam adicionados... um bem-haja a todos!

Tenhamos sempre presente a importância do cruzamento de saberes, da interdisciplinaridade e dos benefícios que daí advêm, procurando acompanhar o(s) interesse(s) das comunidades, num permanente diálogo entre instituições, respeitador (de) e abrangente (em) públicos tão amplos, quanto diversos.

José Moura
Ana Roxo
 
Biblioteca FCT NOVA
www.biblioteca.fct.unl.pt

 

O começo do Ano 2017 na Biblioteca

Quando se inicia o ano cultural e artístico na Biblioteca existe uma programação já delineada para o todo o ano, que define os eventos principais planeados. A estes, muitas vezes se juntam, por circunstância de oportunidade ou pelo interesse inesperado, mais atividades que complementam as descritas na Agenda.

2017 começou com normalidade, e pela primeira vez, em Fev 2017, todas as Salas de Exposições (e alguns espaços não convencionalmente usados como espaços expositivos) apresentam um leque variado de propostas que muito nos honram. Aqui fica o convite para visitarem e participarem ativamente.

José Moura / Ana Roxo

 

MIRA-DOURO (pintura)
Carlos Farinha
Pintura
Sala de Exposições
12/01 a 14/04    

 

TATTOO´ ARTE (fotografia)
Mariza Seita
Preguiçódromo
13/01 a 28/02

 

VAZIO II (pintura / instalação)
Patrícia Fernandes
Sala Estúdio
13/02 a 10/03

 

REMAKE da Obra de Arte (fotografia)
[Painéis de S. Vicente] (Nuno Gonçalves)
Sala Multiusos
06/02 a 10/03

 

C/ Departamento de Matemática
Pinturas e Desenhos geométricos
em torno de Almada Negreiros (Desenhos)
Inez Wijnhorst
Átrio da Sala Multiusos
até 06/05

 

2016

Comunicar Ciência

Os cientistas geram conhecimento novo e original que deve ser comunicado a outros cientistas e ao público em geral, para que estes conhecimentos sejam usados, desenvolvidos e aplicados. Nada melhor que o próprio cientista para comunicar os
seus próprios resultados ao público e aos seus pares (… o saber de experiência feito…).

Comunicar ciência ainda não é frequentemente ensinado na pós-graduação, e graduação. A BIblioteca da FCT-Nova tem pontualmente oferecido formação nestes tópicos: "Como fazer uma apresentação em Ciência" (Ana Sanchez) e "Do trabalho escrito à apresentação oral de uma pesquisa científica" (Ana Leitão). Muitas mais ações se pretendem oferecer no futuro.
Um tema como este é complexo e pode ter várias frentes. Comunicar/comunicação exige um emissor e um recetor, e claro um canal de comunicação. A questão mais importante que se coloca é com quem (temos e queremos) comunicar ciência.
Vários níveis desta questão devem ser abordados.

Comunicar com idênticos (pares)

Esta primeira situação é o caso em que se pretende transmitir conhecimento científico de ponta, muitas vezes inovador, podendo tomar a forma de relatórios, palestras, conferências, artigos, etc. (excluindo patentes - um outro assunto).
Situação em que o emissor e recetor têm um profundo conhecimento dos temas versados. Discussão especializada em que, muitas vezes, são usadas siglas herméticas (para estranhos ao grupo em causa).
Em princípio, os temas decorrem por canais de comunicação facilitados. Este tema merece um maior desenvolvimento com nuances de competição científica, concorrência, novidade, e uma exigência profunda de debate e confronto de ideias (no bom sentido), à qual está subjacente elevada confiança entre interlocutores, numa visão ampla e plena de liberdade.

Comunicar com parceiros

Um outro tipo de situação que ocorre inúmeras vezes em grupos que colaboram de modo complementar é o estabelecimento de um projeto científico complexo, com múltiplas valências e saberes que se completam e complementam. Tomemos como exemplo um projeto de oceanografia que precisa de especialistas de química, biologia (e micro), biologia molecular, biotecnologia, empreendedorismo, indústria, etc…
Todos são necessários uma vez que que cada grupo é especialista em aspetos parciais. Exige-se um esforço em saber colocar as questões corretas, transmitir as necessidades a serem cumpridas (tarefas), no sentido de obter respostas precisas entendíveis (por todos). Cada grupo deve possuir um mínimo de conhecimentos das restantes áreas parceiras, para que haja uma efetiva transmissão de conhecimentos que, globalmente partilhados, estarão na base do projeto científico a desenvolver.

Comunicar com a Indústria

Caso de um grupo de investigação querer desenvolver um projeto que necessite de apoio, aplicação e amplificação industrial. Neste caso, deve o grupo de investigação fazer um grande esforço, no sentido de se munir de ferramentas de gestão e marketing, i. e., aprender linguagens adequadas à facilitação de transmissão de saberes, repensando os objetivos científicos em termos de perspetiva de aplicação e lucro.

Comunicar na sala de aula

Aspeto de destacada importância na comunicação científica, com fortes implicações na formação. Importante o conteúdo e o modo de transmitir informação selecionada no âmbito de uma disciplina específica, devidamente enquadrados no programa geral de um curso. Transmissão de conceitos/conteúdos precisos e detalhados, que deve ser desenvolvida de forma tão apelativa, quanto clara e interessante (muito se pode descrever sobre metodologias de ensino e de avaliação). Os temas e matérias devem, no seu conjunto, fornecer um espectro de conhecimentos sólidos e abrangentes, que permitam aos alunos (futuros profissionais) enfrentarem (e adaptarem-se a) novas situações de um mercado de trabalho em mutação
permanente, bem como a linhas de investigação de maior especificidade.

Comunicar com um público vasto (não especialista, generalista, mais desconhecedor)

Situação que, à partida se apresenta como a mais fácil, evidencia-se como a mais difícil. Comunicar com um público vasto, talvez interessado, com vontade de entender determinado tópico que pode, muitas vezes, ter consequências diretas na sua vida (interesses diretos): Problemas energéticos, ambientais, de saúde, etc. O conhecimento de Tecnologias de ponta são sempre bastante apetecíveis. Comunicar exige um espírito de transformar o complexo em “simples”, apresentando-o de modo atraente e apelativo, mantendo intacta a veracidade e honestidade. Simplificar não é omitir.

José J. G. Moura
Biblioteca Campus da FCT-Nova
REQUIMTE/DQ/FCT-Nova
Julho 2016

 

A Biblioteca e a Comunidade Envolvente (2006-2016)

O edifício da Biblioteca da FCT- Nova está posicionado no Campus de Caparica, a curta distância do mar, onde se desenvolveu uma pequena cidade dentro da grande zona da Cidade de Almada. O Campus representa uma mais valia que se afirmou no mundo do ensino e investigação, aliada à transferência de tecnologia, de know-how e promoção de empreendorismo. É cada vez mais um centro de convergência das comunidades vizinhas, que usam a Biblioteca não só pela oferta de leitura, mas também pela forte componente cultural oferecida. O Campus tornou-se um espaço aberto, de passagem e de permanências, cada vez mais integrado e integrante das comunidades envolventes. A Biblioteca sente, cada vez mais, que é essa uma das suas missões.

De modo natural, a Biblioteca da FCT-UNL promove o conhecimento e revaloriza ambientes internos e envolventes exteriores, onde a arte pública tem uma importante palavra a dizer, permitindo a promoção de previligiadas relações entre utente(s), espaço(s), arte(s), cultura(s) e vida(s). Além disso, espaçosa zona envolvente da Biblioteca apresenta-se como uma interface aos que nela passam e circulam, como verdadeira zona de fruição, interacção e reflexão.

Projetos de âmbito abrangente exigem sinergias e complementaridades. O cruzamento de arte e cultura(s) com muitas outras disciplinas indica direções para acompanhar o(s) interesse(s) das comunidades, cidades e regiões. As instituições e o público em geral muito benificiam destas atividades integradas.  

José Moura
Ana Roxo
Março 2016
 

 

2015

Biblioteca FCT-NOVA | 2015 em Revista

Em jeito de balanço, aqui se reúne, de um modo conciso as atividades do programa cultural que ocorreu, em 2015, na Biblioteca da FCT-NOVA. Um programa diversificado que contou com parceiros e parcerias que colaboraram generosamente, de um modo imaginativo e sobretudo acreditando nestes projetos e em nós.

Várias exposições encheram os nossos espaços…

PERSONAL CONVERSATIONS WITH GLASS | MÚLTIPLOS | SOMBRAS DE UMA ESSÊNCIA | HUMANS OF FCT | TRAVESSIA | THE OTHER WAY AROUND | ALMOST HALF WAY TO (SOME) WHERE | MARLISCO | SUPERFICIEANIMADANIMATEDSURFACE | COMO POR OS BICHOS A DORMIR | A ARTE DE FURTAR DESENHOS (DE A a Z)

Muitos artistas e curadores conviveram connosco...

Carissa Baktay | Robert Willey | Elmira Albolhasani | Isabel Baraona | Hugo Lami | Nuno Nunes-Ferreira | Danilo Mata | Amélie Girard | Filipe Garcia |SuperfícieAnimadAnimated Surface (Afonso Duarte, Ana Brizida, Ana Casimiro, Bárbara Távora, Beatriz Nunes, Carola Scherzinger, Carolina Canas, Carolina Negrão, Catarina Vieira da Cunha, Franziska Gumpp, Gil Costa, Jana Gruszeninks, Joana Lima, João Pereira, Katharina Quitter, Lídia Bispo, Luísa Tudela, Mariana Montez, Nadine Gonçalves, Pedro Lopes, Ricardo Silva, Ricardo Pires, Rui Coimbra, Sara Leme, Sofia Botelho de Medeiros, Sophie Wiegel) | Ana Jacinto Nunes | Nick Taylor | Raquel Terenas | João R. Ferreira | Philip Cabau | Junior Redivo | Nelson Patronilho | Pedro Canelas | Mário Caeiro | Andreia César

E falámos de muitos assuntos relacionados com ciência, tecnologia, arte, cultura, atualidade…

em Conversas na Biblioteca, nos Debates FRONTEIRAS, nos Seminários do American Corner (com espaço renovado) e do laboratório de Design e Inovação, nos dois ciclos do CINECLUBE: Cinema do Mundo e de Ficção Científica, na TEDxFCTUNL e no IGNITE … e houve ainda teatro pelo Grupos Extremo e Teatromosca.

O Ano Internacional da Luz 2015, proclamado pela UNESCO, para celebrar, de modo alargado, os temas relacionados e baseadas na luz, mereceu um grande destaque. Na FCT-NOVA, em colaboração com setores departamentais, a Biblioteca, realizou uma série de atividades que cobriram uma vasta gama de propostas. Em particular, 20 seminários debateram a Luz como um elemento transversal e horizontal entre ciência, saúde, arte, tecnologia, economia e mesmo filosofia e sociologia. Recebemos muitos alunos do ensino secundário para celebrar a Luz connosco em experiências e discussões.

Noutra vertente, a Biblioteca da FCT-NOVA deu continuidade à sua estratégia de apoio à comunidade académica através do programa de acolhimento aos novos alunos e alunos ERASMUS, do programa de formação de utilizadores e de desenvolvimento de competências em Literacia da Informação, da participação na escola Doutoral e em CTCT. A parte de investigação não ficou de fora com todo o apoio dado relativamente à Plataforma CONVERIS, bibliometria e Repositório Institucional – RUN.

Agradecemos o apoio prestado pelos vários serviços da FCT-NOVA em especial à DAT, à DEPE, à DCRE, à Secção de Segurança, à NOVA.ID e, também, à Embaixada dos EUA, no âmbito da parceria American Corner, e em particular aos núcleos da AEFCT, nomeadamente os núcleos de Cinema, Fotografia e Literatura.

Foi um ano rico de experiências e de desafios.
E em 2016 fazemos 10 anos!

 

 2014

2014 foi um ano nada mau... 

Com tantas limitações impostas pela austeridade a Biblioteca da FCT/UNL conseguiu cumprir em 2014 um programa cultural ativo e diversificado, mostrando que, parafraseando o que foi dito na altura da crise energética petrolífera dos anos 70-80 "mesmo quando não há petróleo, é possível ter ideias", e concretizar projetos, sobretudo com parceiros que colaboram porque acreditam nesses projetos e em nós.

Muitas exposições passaram por cá…

AMICE | NO GHOST JUST SHELL | A DEUS | BOHEMIA - Vida e Morte no Chelsea Hotel | DÉJEUNER SUR L'HERBE | TEATRO ABERTO NO CAMPUS | GERAÇÃO COOL - PINTURA 2.0 | ENTRE, LER E DIÁLOGOS | RETRATAR AS DOENÇAS TROPICAIS: IMAGENS ESCOLHIDAS DE HISTÓRIAS DIVERSAS | A ARTE DE FURTAR DESENHOS |HUMOR VÌTREO | (DE A A Z) | I AM - I AM THAT - WE ARE THAT | Transumância: PRECIPITAÇÃO | FERIDA WOYZECK | EXPLORING GLASS ART AND SCIENCE e festejámos o ANO EUROPEU do CÉREBRO e o ANO INTERNACIONAL DA CRISTALOGRAFIA

Muitos artistas e curadores conviveram connosco...

Robert Willey | Richard Meitner | Michael Rodgers | Jorge Humberto – JoH | Mónica Cid | Rita Barros | Vitor Ribeiro | Rui Matos | Jorge Pé-Curto | Paulo Neves | Mathias Contzen | Volker Schnuttgen |Teatro Aberto | João Marques | João Ribeiro | António Abernú | Vicarte – alunos de mestrado | Raquel Terenas | João R. Ferreira | Filipe Garcia | Mário Caeiro | Phillip Cabau | Jorge Calado | Isabel Amaral | Regina Rodrigues | Alexandre Pieroni Calado | Miguel Pacheco Gomes

E falámos de muita coisa... 

Pintura | Escultura | Vídeo | Fotografia | Ciência | Teatro | Cinema | Azeites | Crise | Urbanismo | Cérebro | Tecnologia | Sociedade… em Conversas na Biblioteca | nas Fronteiras | no Ciência (h)à Uma | nos Seminários ACP / LDI | na Pecha Kucha | no CINECLUBE | na TEDxFCTUNL | no IGNITE

Organizámos…

vários workshops | um Spelling Bee | um concurso de fotografia | um Thanksgiving Dinner | um concerto de Natal | uma apresentação de teatro.

Noutra vertente a Biblioteca da FCT/UNL deu continuidade à sua estratégia de apoio à comunidade académica através do programa de acolhimento aos novos alunos e alunos ERASMUS, do programa de formação de utilizadores e de desenvolvimento de competências em Literacia da Informação, participação na escola Doutoral e em CTCT.

A parte de investigação não ficou de fora com todo o apoio dado relativamente à Plataforma CONVERIS, bibliometria e Repositório Institucional – RUN.

Foi um ano rico de experiências e de desafios.

Agradecemos o apoio prestado pelos vários serviços da FCT/UNL em especial à DAT, à DCC, à Secção de Segurança e, também, o apoio da Embaixada dos EUA no âmbito da parceria American Corner.

 

O Teatro tem expressão importante na programação cultural da Biblioteca

No início do ano de 2014, o Teatro tem expressão importante na programação cultural da Biblioteca. A Biblioteca dá assim continuidade a uma programação teatral que tem sido particularmente marcada por textos e peças de carácter científico que se ocuparam da Einstein, Madame Curie, Bosão de Higgs, Darwin e ainda textos como “Terra 8” e “O homem que queria ser água” que focaram problemas ambientais. 

Feynman será o cientista que se segue.

Pelo “palco” da Biblioteca da FCT também já passaram excertos de “O Carteiro de Pablo Neruda” e foi declamada poesia por Maria do Céu Guerra e André Gomes.

Foram já três as companhias de teatro que vieram à FCT: ACausa, Teatro Extremo e o Teatro Joaquim Benite.

A Biblioteca também já organizou, por diversas vezes, workshops de teatro. 

16 Jan – 28 Fev | Teatro Aberto no Campus | Bertolt Brecht Relembrado | Sala Multiusos

4 Fev – 28 Fev | Ferida Woyzeck | Sala Estúdio

20 Fev | 17:00 horas | Feynman | Auditório da Biblioteca | Peça de Teatro

 

2013

A partir de Out 16, três exposições ocupam as salas da Biblioteca


SEGREDOS ARQUIVADOS | Manuela Alegre | Sala de Exposições

Instalação | 12.09 a 15.11

MATER | Salas Multiusos e Preguiçódromo

Matemática do Planeta Terra 2013 | 09.10 a 20.12

PENSAR EM PEQUENA ESCALA | Rui Matos | Sala Estúdio

Esculturas | 16.10 a 14.12

 

Vive la rentrée

Todos os anos o regresso às aulas é para alunos, pais e professores um momento de expectativa e desejo de que no final do ano seja alcançado o sucesso esperado.

O sucesso implica trabalho, dedicação e sobretudo saber trabalhar bem com as ferramentas e recursos de adequados.

Sabemos que para quem chega pela 1.ª vez à universidade pode parecer tudo muito difícil e inacessível.

Por isso, no início de cada ano letivo, a Biblioteca da FCT/UNL recebe os “frágeis” caloiros para uma apresentação dos serviços e recursos existentes e para uma visita guiada ao edifício da Biblioteca.

Este ano, em 2 dias, foram 579 os caloiros que vieram à Biblioteca, foram feitas 15 sessões de apresentação e 33 visitas guiadas que implicaram subir 73 degraus e descer exatamente os mesmos, tantas vezes quantas as visitas guiadas. 

No final ficamos com a sensação de que cumprimos o nosso objectivo, que será consolidado ao longo do ano com sessões de formação, com um caráter mais específico e uma abordagem mais aprofundada, tendo em vista o desenvolvimento de competências em Literacia da Informação.

A Biblioteca da FCT/UNL procura ser uma “colega” de trabalho em todo este processo apoiando alunos e professores, para que possam aceder e usar da melhor forma os recursos de informação disponíveis, de  acordo com as necessidades de informação de cada um, porque o sucesso dos nossos utilizadores é também o nosso sucesso!

O programa de formação para o 1.º semestre está disponível aqui: http://www.biblioteca.fct.unl.pt/formacao/calendario

 

Uma biblioteca para todos

Tem sido preocupação da Biblioteca do Campus de Caparica - FCT criar um espaço de “conforto” para os seus utilizadores. Num sentido geral, entenda-se por “conforto”, a criação de um ambiente propício ao estudo, à reflexão e à criatividade, no qual o apoio na utilização de variadas ferramentas, que vão desde os recursos bibliográficos (nas suas mais variadas formas), aos motores de pesquisa de dados, a formação em Literacia da Informação entre outras, seja uma realidade ao alcance de todos. 

Complementarmente, tem sido preocupação constante fazer deste espaço um local de encontro, de debate, de descoberta e de partilha, proporcionando uma forte interface cultural e artística.

Falamos de utilizadores num sentido integral e integrado: residentes, vizinhos próximos e longínquos do Campus, sempre com elevada preocupação da inclusão de utilizadores com necessidades especiais. Desde o primeiro momento, o design arquitectónico facilitou o acesso às instalações e à circulação nas mesmas; e tem sido preocupação constante a adequação e adaptação de equipamentos, por exemplo o acesso a conteúdos na WEB por cegos e amblíopes (com apoio da FCG).

Foi com grande agrado que, na recente rúbrica do “Ciência (h)à uma”, se debateu a “Química Sem Ver”, abordando-se a problemática de ensino/aprendizagem de invisuais nesta área. Por outro lado, um protocolo recentemente assinado com a ColorADD permitiu a introdução de sinalética de modo a tornar inclusivo o espaço a daltónicos. A utilização de códigos QR, em diversos locais, com diferentes objetivos, tornou possível o acesso a informação auditiva sobre actividades, conteúdos de estantes, informação sobre peças em exposição, etc.

Outras ideias imaginativas e formas de integração, já utilizadas noutros locais, serão experimentadas no nosso espaço, para criar uma Biblioteca sem qualquer tipo de barreiras, na qual uma oferta diversificada (sem custos para o utente), com múltiplos focus de interesse, será sempre uma mais valia para uma Biblioteca para todos e na qual todos se revejam. 

 

A biblioteca em números

Neste observatório são apresentados alguns números que traduzem as atividades e trabalho desenvolvido na Biblioteca da FCT/UNL em 2012.

Estes números, não englobando todo o trabalho realizado, são indicadores de aspetos relevantes.


Entradas na biblioteca 266 325
Documentos emprestados 10 171
Visitas ao site da biblioteca 44 697
Ações de formação de utilizadores 25
Requested Tickets resolvidos 8 978
Documentos arquivados no RUN* 547
Documentos Catalogados  2 160
Pedidos EIB** 241
Publicações no facebook 211
Visitas - facebook da Biblioteca 58 123
Atividades culturais realizadas 52***

 

* RUN Repositório Institucional da Universidade Nova

**EIB Empréstimo Interbibliotecas

*** Conheça e acompanhe as atividades realizadas aqui

Siga-nos no Facebook 

 

Um periodo de confluência do desenho na Biblioteca da FCT-NOVA.

“Learning to Fly” de Paula Rego, continua mostrando gravuras usadas na ilustração da tradução portuguesa do livro Peter Pan, na Sala de Exposições. Os Urban Sketchers apresentam na Sala Estúdio, sketches do Campus, desenhos que registam “in situ” e diretamente a observação. Na Sala Muitiusos, João Carvalho exibe ilustração científica (Fins, Wings & Limbs) numa meditação sobre biologia comparada e evolução, com desenhos produzidos a carvão, aguarela e lápis de cor. Uma grande oportunidade para “ver com olhos de ver” a versatilidade do desenho. 

As 3 exposições terminam em Fev 28, 2013. 

Leituras Científicas

 

Título:
 Molecular Physical Chemistry

Outras Leituras

 

Título:
 O Jogo da Imitação